Especialista chama atenção para os cuidados necessários durante o tratamento de correção dos dentes. Qual o melhor tipo de aparelho ortodôntico? De que forma ele vai afetar o meu dia a dia? Questões como essas costumam povoar a mente de quem opta pela odontologia estética, mas a primeira pergunta que você deve fazer a si mesmo é outra: o quanto estou disposto a me dedicar ao tratamento?
“O paciente não só contribui para todo o processo, como a sua participação é fundamental para se obter sucesso”, explica o ortodontista integrante da Sociedade Brasileira e Americana de Ortodontia, Adalberto De Paula Souza Jr.
Veja, na avaliação do especialista, o que você precisa levar em conta antes de iniciar o tratamento:
1. Busque o máximo de informações no início do tratamento
Em primeiro lugar, coloque em sua mente que o aparelho é apenas uma ferramenta para alcançar o seu objetivo. Portanto, o paciente deve se informar sobre como será o tratamento e tirar todas as dúvidas com o profissional escolhido.
“A primeira coisa que um paciente adulto deve fazer é a avaliação clínica. Nela já é possível ter uma ideia do que vai acontecer. Depois, é necessária uma documentação ortodôntica e, baseado nos dados anteriores da consulta, é traçado um plano de tratamento”, esclarece Adalberto.
Portanto, é nessa fase que você vai saber sobre a previsão e o andamento de todo o processo.
2. Escolha um aparelho que encaixe no seu perfil (e no seu bolso)
Depois de o seu dentista dar o diagnóstico e explicar o tratamento, é a hora de você escolher qual modelo vai acompanhá-lo durante o processo, ou parte dele. Dependendo do caso, o estilo pode variar. A escolha deve levar em consideração o seu perfil, além do preço.
O alinhadores estéticos são os queridinhos do momento. Como são placas praticamente invisíveis, ao sorrir ficam quase imperceptíveis. Além disso, carregam a vantagem de serem removíveis, o que torna mais fácil comer e fazer a higienização. Neste tipo de tratamento, o dentista troca as placas conforme o quadro for se desenvolvendo. Eles costumam ser mais caros.
Uma solução mais em conta são os brackets metálicos. Se você se incomoda com os tradicionais metais colados na frente dos dentes, existe a opção de colocá-los na parte interna da arcada, ficando também totalmente invisíveis. É possível ainda fazer os brackets de porcelana que, apesar de visíveis, são discretos porque têm praticamente a mesma cor do esmalte dos dentes.
Os brackets colados na frente do dente e aparentes, no entanto, ainda são muito usados. E não é só porque são mais baratos. Muitos dentistas recorrem a eles durante o tratamento por necessidade mesmo. Quem optar por esse modelo pode trocar as cores das borrachinhas e ter assim um visual divertido.
O aparelho móvel, aquele que fica apenas com um ferrinho na frente, é usado principalmente em crianças que estão em fase de crescimento. Como atuam fazendo pequenas movimentações dentárias, ajudam a corrigir e a fazer a contenção.
3. Mantenha os alinhadores por no mínimo 18 horas diárias na boca
Os aparelhos que são menos aparentes são os mais desejados – e os mais caros. Mas também exigem comprometimento do paciente. O aparelho alinhador, por exemplo, é móvel e precisa estar na boca por, no mínimo, 18 horas por dia. Ou seja: antes de fazer a escolha, precisa se perguntar. Você vai conseguir cumprir diariamente esse prazo durante meses? “Quem não tem disciplina deve optar pelo recurso fixo convencional”, recomenda Adalberto.
4. Redobre os cuidados contra a gengivite
Chamada gengivite, a inflamação na gengiva precisa ser combatida antes mesmo de o aparelho ser colocado nos dentes. Para evitar que ela apareça durante o tratamento, o especialista chama a atenção para a importância da higienização da aparatologia fixa.
“Pensa só: você tem um objeto estranho colado no dente e isso retém muito alimento. Então não tem jeito, a limpeza precisa ser feita com muita frequência. Se não for assim, vai ter inflamação de gengiva e com isso um grande problema. A saúde bucal deve estar em dia para o tratamento prosseguir”, garante.
5. Evite alimentos muito duros
Quem optar pela aparatologia fixa precisa também ter cuidado especial com a alimentação. Adalberto alerta sobre os alimentos mais duros e difíceis de serem mastigados durante o tratamento. Ou seja: rapaduras, frutas com cascas muito fortes ou qualquer outro alimento que você faça muito esforço para cortar com os dentes podem comprometer os brackets.
Se for difícil evitar, experimente cortar em pedaços pequenos para facilitar a mastigação. “Existe a possibilidade dessas comidas quebrarem o aparelho. E isso faz com que o tratamento atrase”, afirma o especialista.
6. Dê atenção aos elásticos intermaxilares
Adalberto reforça a relevância de o paciente ter responsabilidade com o seu tratamento. Mesmo aqueles pacientes que optam pelo método tradicional, como o aparelho fixo, precisam cumprir as orientações do dentista.
Sabe aqueles elásticos que muitas vezes aparecem no meio do tratamento? Podem ser incômodos e até causarem dor, mas são fundamentais. Os elásticos contribuem para acelerar o tratamento, ajudando a melhorar o encaixe entre os dentes. Dependendo da necessidade do paciente, o uso pode ser indicado em diferentes posições. No entanto, só funcionam se o paciente usar. “Inclusive as crianças. Elas também têm que saber o tamanho da responsabilidade”, afirma.
7. Use sempre fio dental
Além da escovação convencional, o paciente precisa fazer a limpeza do aparelho. No caso dos brackets, é importante eliminar o acúmulo de comida, dando atenção minuciosa a cada um deles.
Outro acessório essencial é o fio dental. Segundo Adalberto, o paciente deve buscar a orientação profissional para aprender a fazer o uso correto dele. “O ortodontista precisa orientar a passar o fio dental por dentro do outro fio do aparelho para fazer a limpeza completa”, afirma.
8. Depois de tirar o aparelho, cuide da contenção
Adalberto destaca a necessidade de se valorizar a contenção – aquele aparelho que o paciente recebe após a retirada do fixo ou ao fim do tratamento. Removível, ele serve para conter e evitar que os dentes mudem de posição após a primeira fase do tratamento ortodôntico, quando ocorre a movimentação dentária.
Segundo o especialista, a etapa da contenção costuma levar cerca de dois anos. “É uma fase obrigatória, se não os dentes tendem a se mexer”, justifica.
9. Tenha atenção especial à contenção dos dentes da arcada inferior
Se é fundamental a atenção com a contenção para os dentes superiores, é ainda mais essencial o cuidado com o aparelho entregue para ser usado na arcada inferior depois da primeira fase do tratamento. “Usamos uma contenção fixa na região ântero inferior (os dentes da frente da arcada inferior), pois é a região mais instável que temos”, explica Adalberto.
10. Coopere com o tratamento para reduzir o tempo de uso de aparelho
O tempo de uso de aparelho, conforme o especialista, costuma variar entre 24 a 36 meses. Mas não é o tipo de tratamento ou o tamanho do problema que determina esse prazo. A colaboração do paciente tem influência decisiva. “É um tripé. Tudo precisa funcionar junto e em harmonia”, destaca Adalberto.