Meta é ganhar tempo para definir plano de retomada conjunto com o governo do estado. ACM Neto em coletiva virtual
Reprodução / Facebook
O prefeito ACM Neto prorrogou por mais sete dias o decreto que suspende as atividades comerciais em Salvador. Na manhã desta terça-feira (30), ele também anunciou que o Centro de Salvador voltará a ser alvo de medidas restritivas mais rigorosas adotadas pela prefeitura para combater a pandemia de coronavírus.
ACM Neto disse que a região terá ruas interditadas e estabelecimentos comerciais não essenciais fechados a partir da próxima quinta-feira (2).
O decreto inclui as Avenidas Joana Angélica, Sete de Setembro e Carlos Gomes, além do bairro do Dois de Julho, a Baixa dos Sapateiros e a Rua da Mangueira. O acesso de veículos ao bairro do Dois de Julho e às Avenidas Joana Angélica e Sete de Setembro será permitido apenas mediante apresentação de comprovante de residência.
Medidas restritivas em Salvador
O Centro de Salvador foi um dos primeiros alvos da ação da prefeitura, que impõe o fechamento de estabelecimentos não essenciais, a suspensão do comércio de rua, distribuição de máscaras, realização de testes rápidos para detectar a Covid-19, higienização das ruas e medidas de combate ao Aedes Aegypti. No início de maio, a região ficou fechada por uma semana.
“Fundamental esse retorno. Não tem jeito, é necessário para diminuir a taxa de contaminação nessa região da cidade”, relatou.
Casos de coronavírus nos últimos sete dias:
Centro: 226
Coutos/Fazenda Coutos: 108
Pernambués/Saramandaia: 205
Cabula/CabulaVI/Resgate: 194
Além da inclusão do Centro da cidade na relação de áreas com medidas restritivas em vigor, o prefeito também anunciou que as ações serão retomadas nos bairros de Pernambués, o que inclui a região de Saramandaia; e Cabula, com Cabula VI e Resgate. A área de Fazenda Coutos/Coutos receberá o trabalho da prefeitura pela primeira vez.
As medidas restritivas mais rigorosas foram prorrogadas nos bairros de Santa Cruz, Imbuí, São Cristóvão e Beiru/Tancredo Neves. Já as regiões de Paripe, Fazenda Grande, Engenho Velho de Brotas, Federação e Engenho Velho da Federação tiveram as ações finalizadas.
“Em Santa Cruz e no Beiru encontramos números altos de testes positivos. Entendemos a necessidade de permanecer por pelo menos mais uma semana”
“Paripe foi um dos bairros em que mais permanecemos. Completamos um mês. Conseguimos melhorar bastante a situação de contaminação na região. O que não quer dizer que mais adiante não tenhamos que voltar”, avisou o prefeito.
Prorrogação da suspensão do comércio
Na última segunda-feira (29), o prefeito havia anunciado que tinha conversas com o governo do estado para definir um plano conjunto de flexibilização das atividades comerciais. A expectativa era apresentar um cronograma, com fases pré-estabelecidas, já nesta terça-feira, data em que o decreto atual perderia a validade.
Porém, segundo ACM Neto, as negociações ainda não foram encerradas, o que motivou a prorrogação do decreto que prevê a suspensão do comércio em mais uma semana. Desta forma, apenas serviços essenciais e eventuais exceções podem atuar até, pelo menos, o dia 7 de julho.
“Por estarmos tratando de diversos protocolos, muitos setores envolvidos, não deu tempo de ser concluído. O tempo não foi suficiente. Esse é primeiro ponto. O segundo ponto é que não adianta autorizar a retomada da atividade no dia 7 e fechar novamente uma semana depois. Isso tem que ser feito com critério. Veja o que tem ocorrido em outras cidades do pais. Goiânia decretou lockdown, Belo Horizonte, Porto Alegre, essas cidades abriram e estão fechando. A decisão de abrir é a mais difícil para tomar. Não pode significar um descontrole no processo que resulte no colapso do sistema de saúde. Tudo está sendo considerado”, informou o prefeito.
ACM Neto prorroga suspensão das atividades comerciais em Salvador
Reprodução / Facebook
ACM Neto contou que terá uma reunião com o governador Rui Costa ainda nesta terça-feira para debater o tema. A ideia central é definir fases para a flexibilização das atividades comerciais. Cada etapa será adotada de acordo com a evolução da Covid-19 na capital baiana. Serão utilizados dados como taxas de ocupação de leitos clínicos e de UTI, o índice de crescimento da doença e também de novas mortes.
“Estamos analisando vários fatores e ouvindo os técnicos, cientistas e profissionais. Temos mais convergências do que divergências. É questão de tempo para que o trabalho seja concluído. Temos confiança que possamos concluir ainda esta semana e talvez, até antes do fim de semana, possamos fazer uma apresentação conjunta dos planos. Não podemos ser precipitados, errar no timing. Adianta nada abrir e fechar. Pode ser que aconteça, mas temos que fazer de tudo para evitar”, disse.
“Mesmo que apresentássemos o plano hoje, o plano da prefeitura está pronto, nenhuma atividade voltaria a funcionar antes do dia 7. Portanto, não há prejuízo prático e concreto para nenhuma das atividades. Se por ventura alguma flexibilização acontecesse, e só aconteceria com os critérios atendidos, só ocorreria a partir do dia 7 ou 10, meados da próxima semana”, completou.
As atividades comerciais não essenciais em Salvador foram suspensas em março, no início da pandemia. Nos últimos dias, protestos foram realizados na cidade para reivindicar uma flexibilização.
Salvador possui, segundo dados do boletim da Secretaria de Saúde (Sesab), 32.599 casos confirmados de coronavírus, dos quais 9.852 são considerados ativos. A capital baiana registrou 1.129 mortes em decorrência da doença.
Veja mais notícias no G1 Bahia.