Pesquisa foi publicada na revista ‘Nature’ nesta quinta-feira (16). Assintomáticos, pré-sintomáticos e casos leves tiveram um papel importante na rápida disseminação do vírus. 10 de julho – Aluna verifica temperatura corporal de seus colegas de classe em sala de aula de escola secundária, em Wuhan, na província central de Hubei, na China. As escolas secundárias em Wuhan reabriram em 10 de julho, após o início do prazo ter sido adiado devido ao surto de doença por coronavírus (Covid-19)
STR/AFP
Até 87% dos casos de Covid-19 entre janeiro e março de 2020 em Wuhan, na China, não foram detectados. Eram pacientes assintomáticos, pré-sintomáticos ou com sintomas leves, de acordo com estudo publicado na “Nature” nesta quinta-feira (16). Essas pessoas tiveram um papel importante na disseminação da doença.
Assintomáticos: pacientes que não chegam a desenvolver a doença
Pré-sintomáticos: pacientes sem sintomas, mas que deverão desenvolver no futuro
Pacientes leves: têm febre, tosse, ou qualquer outro sintoma, mas não precisa de internação hospitalar
Acredita-se que este grupo de infectados pelo Sars CoV-2 tenha um papel importante na disseminação da doença. Isso, principalmente, devido à dificuldade de rastreio para implementação do isolamento. Além disso, mesmo com o desenvolvimento de alguns sintomas, eles podem ser facilmente confundidos com outras doenças.
OMS esclarece que assintomáticos transmitem coronavírus: ‘a questão é saber quanto’
Para entender o fluxo de transmissão, o cientista Chaolong Wang e seus colegas tentaram reconstruir a dinâmica do surto que iniciou em Wuhan, primeiro epicentro da Covid-19 no planeta. Eles avaliaram o impacto de 32.583 casos confirmados em laboratório entre 8 de dezembro de 2019 e 8 de março de 2020.
Com base nesses dados, eles dividiram o surto em cinco períodos importantes e com impacto, como o Ano Novo Chinês, a imposição do isolamento e a quarentena. A modelagem da epidemia mostra que a transmissão inicial foi muito alta, como uma taxa estimada de reprodução (R0) de 3,54 – ou seja, a cada pessoa infectada, outras 3,54 também eram atingidas pelo vírus.
No final do surto, a taxa estava perto de 0,28, segundo os autores, prova de que as intervenções de isolamento, controle de fronteiras e uso de máscaras foram fundamentais para o controle na China. A implementação de medidas não medicamentosas no país reduziu em 96% o número total de infecções até o dia 8 de março.
Ao ajustar a modelagem ao número já conhecido da Covid-19 na China, eles viram que muitos casos provavelmente não foram detectados pelo sistema de saúde e contabilizados. Os pesquisadores estimam que até 87% das infecções, com um limite mínimo de 53%, provavelmente foram de pacientes com menos chance de detecção, do grupo dos assintomáticos, pré-sintomáticos e de sintomas leves.
Os autores também preveem uma chance alta de uma segunda onda de infecções no país. Se ocorrer um relaxamento das restrições 14 dias após o primeiro dia sem nenhum caso registrado, há chance de 97% de retorno da Covid-19. Se o isolamento e outras medidas só caírem após 14 dias sem registros da doença, a chance de volta do vírus cai para 32%.
Assintomáticos transmitem?
A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta terça-feira (9) que pessoas assintomáticas transmitem coronavírus – “a questão é saber quanto”, segundo a entidade. O esclarecimento foi feito um dia depois de a chefe do programa de emergências da entidade, Maria van Kerkhove, declarar que parece ser “rara” a transmissão da Covid-19 por pacientes sem sintomas da doença.
“Estamos absolutamente convencidos de que a transmissão por casos assintomáticos está ocorrendo, a questão é saber quanto”, disse nesta terça o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan.
Universitários começam a voltar ao campus de Wuhan, na China
Initial plugin text