Herbert Almeida, de 21 anos, relata que foi atingido com socos e pauladas quando saía de um supermercado. Jovem mostra marcas de agressão e afirma ter sido vítima de ataque homofóbico
Um jovem de 21 anos denunciou, através de postagem nas redes sociais, agressões que sofreu no bairro de Fazenda Grande do Retiro, em Salvador. Na postagem, Herbert Almeida mostrou imagens dos ferimentos e relatou que a agressão ocorreu na porta de um supermercado, onde foi atingido por pauladas desferidas por um homem. Em entrevista ao G1, nesta quarta-feira (8), ele contou que sente medo, muitas dores e afirma que só apanhou porque é homossexual.
Nas imagens compartilhadas no Instagram, é possível ver que ele apresenta muitos ferimentos pelo braço e também na cabeça. No vídeo, Herbert comenta a situação chorando: “Olha como estou, como meu braço está. Olha meu rosto”, disse [Confira no vídeo cima].
Herbert, que é DJ, relata que a agressão ocorreu por volta das 19h30 de segunda-feira (6). O crime foi registrado na 4ª Delegacia Territorial, situada no bairro de São Caetano, na terça (7).
Por meio de nota, a Polícia Civil disse que ouviu o depoimento de Herbert e que foi expedida uma guia para realização de exame pericial no Departamento de Polícia Técnica (DPT).
Herbert conta que mora na mesma rua que o homem que o agrediu. Segundo o jovem, o agressor havia dito piadas homofóbicas para ele dentro do supermercado, que fica no bairro em que moram.
“Eu encontrei ele dentro do mercado. Dentro do mercado, ele me ameaçou. Eu lembro que ele falou que eu merecia tomar paulada. Que ele queria me bater. Ele começou a dizer que ia me bater e soltou piadas. Eu dei as costas. Eu falei a ele que ‘tá bom’ e continuei comprando o que tinha comprar”, contou Herbert.
Jovem mostra marcas de agressão nas redes sociais e afirma ter sido vítima de ataque homofóbico em Salvador.
Reprodução / Redes Sociais
O jovem relatou que as agressões físicas só tiveram início quando ele deixou o estabelecimento comercial . O homem usou um pau para cometer crime. Ele disse que não recebeu ajuda de ninguém.
“Quando saí do mercado, ele estava do lado de fora, ele pegou um pau neste momento. E foi com esse pau que ele me bateu. Ninguém se meteu. Eu fiquei calado. Eu moro no bairro e fiquei com vergonha de pedir ajuda. Eu coloquei o braço na frente para tentar me proteger. As marcas foram mais no braço, por isso. Ele parou de me bater por conta própria. Ele me bateu e foi embora. Eu fiquei com vergonha e medo. Na hora da pancada, não doeu, mas precisei ficar sentado esperando conseguir equilíbrio para ir para casa”, contou.
Herbert afirma que só apanhou porque é homossexual. Segundo o jovem, o agressor já tinha feito comentários homofóbicos sobre ele em outras ocasiões.
“Eu acho que ele me bateu por eu ser gay. Se fosse outra pessoa, ele não faria isso. Qual o motivo de a pessoa pegar o pau para bater na outra? Ele acha que não sou ninguém porque sou gay. Foi um crime de caráter homofóbico”, pontuou.
O jovem disse ao G1 ainda que sente muito medo e não tem saído de casa. Além disso, as dores são fortes e frequentes.
“Eu tenho medo. Não quero sair de casa mais. Eu moro sozinho. Estou com medo. Os ferimentos doem. Meu braço dói muito. Está duro. Foi muito forte. O pedaço de madeira quebrou em mim. Tenho muito medo”, concluiu.
Confira mais informações do estado no G1 Bahia.