Mandados de prisão, busca e apreensão são cumpridos em cidade de MG, BA e SP. Grupo tinha laboratório clandestino e usava antidepressivo na fórmula que seria fitoterápica. Casa usada como laboratório clandestino em Uberlândia para produzir medicamentos para emagrecer
Stanley Matias/G1
A Polícia Federal cumpre, nesta terça-feira (29), mandados de prisão, busca e apreensão durante a Operação “Work Out” para desarticular uma organização criminosa de Uberlândia que fabricava medicamentos proibidos. Ações são feitas em cidades de Minas Gerais, Bahia e São Paulo.
Os mandados judiciais são cumpridos em Uberlândia, Ituiutaba, Araxá e Belo Horizonte, além de São Paulo e Cajamar, no estado de São Paulo, e Livramento de Nossa Senhora e Rio de Contas, na Bahia. São 14 mandados de prisão preventiva e 31 mandados de busca e apreensão.
Em Uberlândia, um laboratório clandestino foi interditado no Bairro Bom Jesus, onde equipamentos e cápsulas foram apreendidas.
Medicamentos foram apreendidos durante Operação ‘Work Out’ em Uberlândia
Polícia Federal/Divulgação
Crime
Segundo a PF, o grupo fabricava o medicamento falso dizendo que o produto era 100% fitoterápico e prometia resultados milagrosos na perda de peso.
Mas a fabricação era realizada em laboratórios clandestinos, sem respeitar quaisquer regras sanitárias, e onde eram utilizados insumos químicos de comercialização controlada, tais como sibutramina (anorexígeno) e fluoxetina (antidepressivo e ansiolítico), podendo ocasionar sérios danos à saúde.
Durante seis meses de investigação foi identificado grande patrimônio dos envolvidos no esquema criminoso, como fazendas e automóveis de luxo, inclusive com a ocultação de bens em nome de terceiros, em ação de lavagem de capitais.
A expectativa é o sequestro de bens avaliados em mais de R$ 10.000.000.
O nome da operação Work Out, “malhar” em inglês, faz um alerta de que não existem fórmulas mágicas para adquirir uma boa forma física.
Covid-19
A Polícia Federal também informou que foi possível constatar que a manipulação do medicamento, durante fabricação, estava sendo realizada por indivíduos infectados pela Covid-19, demonstrando a precariedade e a falta de segurança em sua produção.
Operação é feita pela Polícia Federal de Uberlândia, além de equipes de São Paulo e Bahia
TV Integração/Divulgação