Medida começou nesta segunda-feira (13) e seguirá até próximo domingo (19), entre às 21h e 5h do dia seguinte. Unidade fica na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia
Reprodução/TV Bahia
A prefeitura de Ilhéus, que fica no sul da Bahia, decretou toque de recolher no município a partir desta segunda-feira (13). A medida, adotada como forma de conter o avanço do coronavírus, seguirá até o próximo domingo (19).
Segundo o decreto, publicado no Diário Oficial do Município (DOM), a medida levou em consideração também o número crescente apresentados nas cidades circunvizinhas.
A circulação de pessoas em vias, equipamentos, locais e praças públicas da cidade, por causa disso, está proibida entre às 21h e 5h do dia seguinte, durante os dias do decreto.
A exceção para a circulação será considerada apenas em caso de necessidade de deslocamento para ida a serviços de saúde ou farmácia, para compra de medicamentos, ou situações em que fique comprovada a urgência.
Ainda de acordo com a prefeitura, servidores, funcionários e colaboradores, que atuam nas unidades públicas ou privadas de saúde e segurança, não serão afetados pela medida.
Além disso, serviços essenciais, como os serviços de delivery, farmácias, unidades de saúde, serviços de segurança privada, serviços funerários, postos de combustíveis, indústrias e estabelecimentos voltados a cuidado a animais poderão funcionar durante o toque de recolher.
As atividades relacionadas ao enfrentamento da pandemia (o transporte e o serviço de entrega de medicamentos e demais insumos necessários para manutenção das atividades de saúde, as obras em hospitais e a construção de unidades de saúde) também poderão funcionar durante o toque de recolher.
Conforme o último boletim epidemiológico divulgado pela cidade, no domingo (12), Ilhéus tem 1977 casos confirmados da Covid-19.Desse total, 1279 pacientes já estão curados.
As atividades comerciais em Ilhéus foram interrompidas em março por causa da pandemia do novo coronavírus. Entretanto, a reabertura do comércio ocorreu no início de junho.
Na ocasião, o movimento foi intenso e o Ministério Público Estadual entrou com ação pedindo a suspensão do decreto que permitiu comércio voltar a funcionar.
No começo deste mês, a prefeitura desistiu de avançar em nova fase do plano de abertura gradual do comércio.
Confira mais informações do estado no G1 Bahia.