Jovem foi levada à OAF pelo pai, que não conseguiu sustentá-la. Após períodos de visitas, ele se afastou para fazer um tratamento de saúde e não voltou mais. Confira a história de uma adolescente que mora em abrigo e procura por notícias da família
Uma adolescente de 17 anos sonha em reencontrar o pai, que não vê há cerca de nove anos. O último encontro entre os dois foi em 2011, na Organização do Auxílio Fraterno (OAF), no bairro da Lapinha, em Salvador, quando ele a deixou para morar no lugar, por não ter condições de sustentá-la.
Logo no início, Divaldo Nascimento da Silva ia visitar a filha periodicamente. No entanto, meses depois, ele avisou a Karen da Silva que ia demorar um pouco mais para retornar, porque ia iniciar um tratamento de saúde. Desde então, ele não voltou mais.
Prestes a ser adotada, adolescente sonha encontrar pai, que não vê há cerca de 9 anos
TV Bahia
Atualmente, Karen está em processo final de adoção e já começa a viver mais de perto com a mãe adotiva, Cátia Santos. Apesar da alegria da adaptação, a jovem deseja reencontrar o pai.
“Eu não esperava ser adotada, por conta da minha idade. Está sendo muito legal, estou me adaptando e estou gostando muito. Encontrar meu pai é muito importante para mim. É como se fosse um quebra-cabeça em que estivesse faltando uma peça. Quando eu reencontrar esse quebra-cabeça, eu vou ser mais feliz”, diz.
“Eu quero continuar com a pessoa que quer me adotar, que é minha mãe. Mas eu quero que meu pai apareça, porque ele é muito importante para mim. Quando ele aparecer, eu quero dizer que eu o amo muito”, disse a adolescente.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.
Prestes a ser adotada, adolescente sonha encontrar pai que não vê há cerca de 9 anos
Reprodução/TV Bahia