Diante de novo pico de Covid-19 no país, vice-presidente Mike Pence e líderes republicanos se distanciam de Trump, que se recusa a usar proteção facial. Joe Biden em evento público em 25 de maio de 2020
Carlos Barria/Reuters
No decorrer da pandemia, o uso de máscaras faciais foi bastante politizado nos EUA, mas o aumento maciço de casos do novo coronavírus levou lideranças republicanas a demarcarem distância do presidente Donald Trump cobrando dele o exemplo. Diante do segundo pico — o país supera os 2,5 milhões de infectados — o vice-presidente Mike Pence tomou a dianteira e apelou aos americanos que portem máscaras, pratiquem o distanciamento social e evitem o contato com idosos.
Mais uma vez, Trump se isola de seus pares, recusando-se a usar a proteção facial, sob o raso pretexto de não parecer ridículo diante da imprensa. O presidente chegou ao ponto de sugerir que encara a máscara como uma declaração política contra ele.
Dessa forma, contrariando a orientação do Centro de Prevenção de Doenças (CDC), Trump claramente desestimula seu uso e zombou de Joe Biden quando ele apareceu em eventos públicos com máscara. O mesmo presidente que se submete a testes diários, usou cloroquina e propôs a injeção de desinfetante como forma de combate ao coronavírus encara a proteção facial como contraproducente.
“É uma faca de dois gumes. As pessoas tocam nelas e levam as mãos aos olhos e nariz”, justificou nunca entrevista ao “Wall Street Journal”.
Na sexta-feira, os EUA registraram a marca histórica de 40 mil casos em um só dia. Além de Pence, outros republicanos se distanciaram de Trump, mandando uma mensagem uníssona em defesa da utilização de máscaras.
O senador republicano Lamar Alexander, do Tennessee, resumiu o conflito político que se instaurou no país: “Se você usa máscara, é porque é contra Trump. Eu gostaria que o presidente usasse máscara para nos livrar desse debate. Milhões de pessoas o admiram e seguiriam a sua liderança.”
Comício de Trump reúne milhares em cidade onde casos de coronavírus estão aumentando
Nos três estados que amargam o maior aumento de casos — Texas, Arizona e Flórida — seus governadores republicanos apressaram a flexibilização da quarentena. Ficaram sem opção e passaram a incentivar a proteção facial como ferramenta de segurança contra o contágio.
O vice Mike Pence, que no domingo apareceu de máscara num evento público no Texas, invoca o federalismo e deixa para os governadores a decisão de obrigar o seu uso. A democrata Nancy Pelosi, que preside a Câmara dos Representantes, é partidária de uma ordem federal que unifique a utilização até que haja uma vacina. O exemplo, segundo ela, deve começar pelo presidente por uma simples razão: “Homens de verdade usam máscaras.”