Agências de notícias e sites controlados pelo governo russo afirmam sem comprovar que Joe Biden, adversário de Trump, sofre de demência. Agentes do Departamento de Segurança Interna dos EUA fizeram um rascunho de um relatório sobre isso, mas decidiram não divulgar o documento. Joe Biden, candidato democrata a presidente dos EUA, durante comício no estado de Delaware nesta quarta (2)
Kevin Lamarque/Reuters
O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos decidiu não circular um relatório no qual informava que a Rússia tenta retratar Joe Biden, o candidato democrata à presidência, como alguém que sofre de instabilidade mental.
O órgão defendeu sua decisão na quarta-feira (2), alegando que faltava contexto.
Relatório mostra que interferência russa não foi combatida
Um rascunho do relatório, intitulado “Rússia provavelmente denigre a saúde dos candidatos dos EUA para influenciar as eleições de 2020”, foi submetido ao escritório legislativo e de relações públicas da agência em 7 de julho, de acordo com a ABC News, que primeiro relatou o assunto.
Chad Wolf, O secretário interino do Departamento de Segurança Interna, disse à Fox News na quarta-feira que a agência suspendeu o relatório não só pela falta de contexto, mas, também, porque estava “muito mal escrito”.
“Vou continuar a fazer meu trabalho para garantir que as informações que saem do departamento sejam de primeira linha”, disse Wolf.
O boletim preliminar relatou que órgãos da mídia estatal russa, como as agências RT e Sputnik, além de um site controlado pelo governo russo, publicaram alegações sobre “a má saúde mental do candidato presidencial de 2020, Joe Biden, entre setembro de 2019 e maio de 2020.
Biden, de 77 anos, já disse que sofre de gagueira desde a infância. O site controlado pelos russos publicou textos, sem comprovações, em que dizia que os erros verbais do político se devem a uma demência não comprovada, e não à gagueira.
O boletim também disse que a mídia iraniana e chinesa publicou materiais questionando a saúde mental do presidente republicano Donald Trump, de 74 anos.