Continuidade do programa nuclear do país é considerada uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU. A Coreia do Norte segue operando algumas instalações nucleares e suas atividades continuam sendo “motivo de grave preocupação”, afirmou Agência Internacional Energia Atômica (AIEA) da ONU.
“A continuidade do programa nuclear da República Popular Democrática da Coreia (RPDC) é uma clara violação de resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU e é profundamente lamentável”, afirma a AIEA em um relatório anual divulgado à imprensa nesta quarta-feira (2).
Durante o período transcorrido desde o relatório anterior, de agosto de 2019, a AIEA observou “sinais compatíveis com a produção de urânio enriquecido” na área nuclear de Yongbyon.
A agência com sede em Viena declara que não teve acesso ao sítio de Yongbyon ou a outros locais na Coreia do Norte. A análise tem como base “as informações disponíveis”, com dados públicos e imagens feitas por satélites.
Na terça-feira, o governo dos Estados Unidos fez uma advertência formal sobre as atividades balísticas da Coreia do Norte, que prosseguem e continuam representando uma “ameaça significativa para a estabilidade regional e mundial”.
Os Departamentos de Estado, do Tesouro e do Comércio dos Estados Unidos detalharam os esforços do país, liderado por Kim Jong-un, para adquirir material que poderia ser utilizado na fabricação de mísseis.
Após os primeiros testes de mísseis intercontinentais em 2017, Pyongyang “continuou durante o ano passado com o lançamento de mísseis balísticos, violando uma série de resoluções do Conselho de Segurança da ONU”, afirmou a diplomacia americana.