Ministro cazaque da Saúde disse que as afirmações ‘da mídia chinesa não correspondem à realidade’. Governo também argumenta que alguns casos de pneumonia apresentaram os sintomas da Covid-19, mas não tiveram resultado positivo nos testes. China isola cidades no entorno de Pequim e faz exames para detectar novos surtos
GloboNews
A embaixada da China no Cazaquistão disse nesta quinta-feira (9) que há uma pneumonia local, ainda com causa desconhecida, com uma mortalidade maior do que a do Sars CoV-2, vírus causador da Covid-19. Nesta sexta-feira (10), o país negou as afirmações chinesas.
De acordo com a China, a doença ainda em investigação causou 1.772 mortes no primeiro semestre de 2020 – 628 delas em junho. “A taxa de mortalidade é muito maior que a da Covid-19”, disse a embaixada ao “Global Times”. O comunicado chinês citava inicialmente uma “pneumonia cazaque”, mas depois o termo foi substituído por “pneumonia não-Covid”.
De acordo com a embaixada, três regiões do Cazaquistão estão afetadas e entre as vítimas estariam cidadãos chineses. Já o ministro cazaque da Saúde disse que as afirmações “da mídia chinesa não correspondem à realidade”, mas não usou uma referência direta ao comunicado oficial da embaixada.
O ministério do Cazaquistão mencionou pacientes registrados como afetados por pneumonia e não pelo novo coronavírus, apesar dos sintomas, já que os testes de Covid-19 foram negativos. No total, o país registra até esta sexta-feira 57.747 casos e 264 mortes, mas, como seus vizinhos da Ásia central, é acusado por observadores e ONGs de minimizar a dimensão da pandemia.
OMS afirma que vírus de gripe suína na China não é novo e é monitorado desde 2011