Chineses aumentaram a supervisão sobre alimentos importados após uma nova série de casos de coronavírus ter sido associada a um mercado de alimentos na capital há uma semana. Unidade de suínos da Tyson Foods em Waterloo, Iowa (EUA)
REUTERS/Brenna Norman
A autoridade alfandegária da China disse no domingo (21) que suspendeu importações de produtos avícolas de uma unidade da processadora norte-americana de carnes Tyson Inc atingida pelo novo coronavírus.
A Administração Geral de Alfândega informou em seu site que decidiu sobre a suspensão, após a empresa ter confirmado casos de coronavírus na instalação, localizada em Springdale, Arkansas.
Um porta-voz da Tyson, Gary Mickelson, disse que a empresa está avaliando a questão, acrescentando que a empresa trabalha junto às autoridades nos Estados Unidos para assegurar que seus alimentos são produzidos de acordo com as normas de segurança exigidas pelo governo.
“É importante notar que a Organização Mundial de Saúde, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, o Departamento de Agricultura dos EUA e a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA concordam que não há evidência que apoie a transmissão de Covid-19 associada a alimentos”, disse Mickelson em e-mail à Reuters.
A China também suspendeu a importação de produtos da processadora alemã de carne suína Toennies na semana passada, após um surto de coronavírus entre centenas de funcionários da empresa.
A China aumentou a supervisão sobre alimentos importados após uma nova série de casos de coronavírus ter sido associada a um mercado de alimentos na capital há uma semana.
O governo chinês começou a testar carnes, frutos do mar e produtos frescos para o coronavírus na semana passada e alguns portos estavam abrindo todos contêineres com carnes para a realização de testes.
Na sexta-feira, a China pediu a exportadores de alimentos que assinassem uma declaração de que seus produtos não estão contaminados pelo vírus.