Primeiro do Atlântico na temporada de 2020, ciclone de categoria 1, com ventos de cerca de 130 km/h, deverá causar fortes chuvas, grandes ondas tempestades e perigosas inundações. Dois homens observam mar agitado pela chegada dos ventos do furacão Hanna, em Corpus Christi, Texas, no sábado (25)
AP Photo/Eric Gay
Uma das regiões dos Estados Unidos mais afetadas pela pandemia de coronavírus, o Texas se prepara, neste sábado (25), para enfrentar o furacão Hanna, o primeiro do Atlântico na temporada de 2020.
Os meteorologistas alertaram que este ciclone de categoria 1, com ventos de cerca de 130 km/h, causará fortes chuvas, grandes ondas tempestades e perigosas inundações.
Hanna se formou na noite de quinta-feira no Golfo do México e se transformou em furacão na noite de sexta-feira. Deve chegar ao território no fim da tarde, ou no início da noite, disse o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), em boletim divulgado às 12 horas (horário de Brasília).
O fenômeno estava localizado a cerca de 140 quilômetros ao sudeste de Corpus Christi, às 10 horas (12 horas em Brasília), e se deslocava para o oeste a pouco menos de 10 km/h.
Hanna “deve tocar o solo ao longo da costa do Texas dentro da área de advertência esta tarde, ou no início da noite”, acrescentou.
Imagem de satélite mostra o furacão Hanna se aproximando do Texas na manhã de sábado (25)
NOAA via AP
As advertências de tempestade foram feitas ao longo da costa do Texas no Golfo. Em Corpus Christi, de 325 mi habitantes, bibliotecas e museus foram fechados, enquanto os moradores se preparam para a tormenta, informou a imprensa local.
Hanna pode causar mais de 450 mm de precipitação neste estado do sul dos EUA, destacou o boletim, que também alerta sobre perigosas inundações repentinas.
O NHC adverte ainda que os estados mexicanos de “Coahuila, Nuevo León e o norte de Tamaulipas” serão afetados pelas chuvas, o que pode causar “inundações repentinas com risco de morte, aumentos repentinos [no volume] em pequenos rios e inundações menores a moderadas de rios no sul do Texas”.
O Texas já enfrenta um duro quadro, em meio ao aumento de infecções por Covid-19. As autoridades estaduais anunciaram o uso obrigatório de máscara para conter a disseminação do coronavírus.
Homem fotografa via começando a ficar alagada pela chegada dos ventos do furacão Hanna, em Corpus Christi, Texas, no sábado (25)
AP Photo/Eric Gay
No Pacífico, o furacão Douglas se aproxima do Havaí, e a tempestade tropical Gonzalo, no Atlântico, encontrava-se perto das ilhas de Barlovento.
Douglas, que chegou a ser um poderoso furacão de categoria 4, enfraqueceu-se até virar uma tormenta de categoria 2, com ventos de cerca de 170 km/h.
O NHC disse que o Douglas vai continuar perdendo força, à medida que se aproxima do Havaí, “passando perigosamente perto das ilhas, ou sobre elas, na última hora da noite até domingo à noite”, o que provocará fortes ventos e ondas altas.
Os alertas foram acionados hoje nos condados do Havaí e de Mauí, assim como em Oahu.
Já Gonzalo atingia com fortes chuvas as Ilhas de Barlovento. A previsão é que perca força e se dissipe até o domingo à noite.