Escultura em tamanho natural da primeira-dama dos EUA ficava em frente à cidade onde ela nasceu. A escultura de madeira queimada da primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, foi retirada em Rozno, perto de sua cidade natal, Sevnica, na Eslovênia. O incêndio aconteceu na noite de 4 de julho, quando os norte-americanos comemoraram o Dia da Independência dos EUA.
Brad Downey, um artista norte-americano que mora em Berlim, afirmou à Reuters que ele removeu a escultura queimada e desfigurada em tamanho natural assim que a polícia o informou do incidente, em 5 de julho.
“Quero saber por que eles fizeram isso”, disse Downey.
Imagem de arquivo mostra estátua de madeira representando a primeira-dama dos EUA, Melania Trump, em Rozno, perto de sua cidade-natal Sevnica, na Eslovênia
Reuters/Borut Zivulovic
O escultor afirma que esperava que a estátua fomentasse um diálogo sobre a situação política nos Estados Unidos, destacando o status de Melania Trump como imigrante casada com um presidente que jurou reduzir a imigração.
Em Washington, o gabinete de Melania Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.
A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, durante visita às pirâmides do Egito, no Cairo, no dia 6 de outubro
Reuters/Carlo Allegri
Nas últimas semanas, o presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu adotar atitude dura contra qualquer pessoa que destrua ou vandalize monumentos históricos dos EUA, no momento em que o ativismo político contra a injustiça racial se espalhou por todo o país. Veja no VÍDEO abaixo.
Donald Trump diz que vai mandar prender quem atacar monumentos históricos
Downey, de 39 anos, disse que apresentou relatório à polícia e gostaria de entrevistar os culpados, se encontrados, para um filme que está preparando.
“A investigação neste caso ainda não foi concluída, portanto não podemos revelar detalhes devido ao interesse de mais procedimentos”, disse à Reuters a porta-voz da polícia Alenka Drenik.