Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) projeta um déficit estimado em R$ 1,5 bilhão, neste ano de 2020. Além do ICMS, o IPVA caiu 28%, e o ITD, imposto sobre heranças e doações, perdeu 58,6%
Divulgação
O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o principal tributo da Bahia, registrou uma queda de 29,8% em abril, em comparação ao mesmo mês em 2019. Segundo informações do Governo do Estado, a situação aconteceu por causa do impacto do novo coronavírus nas contas públicas.
Além do ICMS, o IPVA caiu 28%, e o ITD, imposto sobre heranças e doações, perdeu 58,6%.
Desde o mês de março, quando foram registrados os primeiros casos da doença na Bahia, o Estado colocou em prática ações, como revisão de contratos em vigor e licitações em curso, para minimizar as perdas na arrecadação e reduzir os gastos.
Mesmo com essas ações, a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) projeta um déficit estimado em R$ 1,5 bilhão, neste ano. As medidas de contenção de gastos contabilizam uma economia estimada em R$ 778 milhões, que preserva as despesas voltadas para o combate à pandemia.
“O pacote de ajuda federal trouxe vetos que, na prática, reduziram seu alcance, o que contribui para prolongar a situação de dificuldade que os Estados já vinham enfrentando antes da pandemia, por conta do fracasso da política do Governo Federal em promover crescimento econômico e geração de emprego”, afirma Manoel Vitório, secretário estadual da Fazenda.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.