Brasil contribuiu com aumento nesta sexta-feira. Estados Unidos, Índia e África do Sul também estão entre países com mais casos do Sars CoV-2. 10 de julho – Profissionais da saúde chegam para rastrear pessoas em busca de sintomas de Covid-19, em Mumbai, na Índia. A Índia ultrapassou a Rússia e se tornou o terceiro país mais afetado pela pandemia de coronavírus
Rafiq Maqbool/AP
A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou um novo recorde diário de casos globais da Covid-19 nesta sexta-feira (10), de acordo com relatório oficial. Foram 228.102 infecções confirmadas em 24h, sendo que os países com os maiores registros foram Estados Unidos, Brasil, Índia e África do Sul.
O recorde anterior ocorreu em 4 de julho, quando o planeta somou 212.326 casos em um dia. As mortes seguem estáveis: cerca de 5 mil diariamente.
Nesta quinta-feira (9), a OMS demonstrou preocupação com o avanço da pandemia de coronavírus durante a reunião dos estados-membros. A agência de saúde da ONU informou que os casos seguem fora de controle na maioria dos países.
OMS enviará grupo de especialistas à China para estudar a origem do coronavírus Sars-Cov-2
Diretor-geral da OMS deseja uma rápida recuperação a Bolsonaro, após confirmação da Covid
“Na maior parte do mundo, o vírus não está sob controle, está piorando”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.
Mais de 12 milhões de casos de coronavírus foram relatados desde o início da pandemia. Segundo a OMS, ao menos a metade deles foi registrada nas últimas seis semanas – a cada sete dias, o mundo registrou 1 milhão de novos casos da doença.
“A pandemia da Covid-19 não deixou nenhum país intocado. Ela humilhou a todos nós”, disse Tedros Adhanom.
Ainda durante a reunião, a OMS anunciou a criação de um grupo independente para analisar a evolução da pandemia e a resposta dos países contra o coronavírus. O grupo será co-presidido pela ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, e pela ex-presidente da República da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf.
‘Perdemos muitos profissionais da saúde’
O chefe da agência de saúde da ONU lamentou as milhares de mortes pela pandemia e demonstrou solidariedade aos trabalhadores da linha de frente no combate ao coronavírus.
“Nunca esquecerei as imagens dos profissionais de saúde que usavam máscaras por tanto tempo que tinham marcas e machucados gravados no rosto, salvando vidas e arriscando as suas próprias. Perdemos muitos profissionais de saúde” – Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS
A organização também demonstrou preocupação com as vacinas já existentes e com a falta de medicamentos nos países mais afetados pela pandemia.
Testes de vacina chinesa no Brasil começam dia 20
Cientistas chineses garantem imunização eficaz para 90% dos pacientes
Saiba mais sobre a vacina de Oxford contra a Covid-19
“Centenas de milhões de crianças correm o risco de perder vacinas de rotina para tuberculose, pneumonia, sarampo, poliomielite, cólera, difteria e outras doenças”, alertou Tedros Adhanom. “Muitos países estão com poucos medicamentos para o HIV.”
Ele reforçou que a cobertura universal de saúde é essencial para a segurança coletiva: “A saúde para todos, que tem sido a marca registrada da OMS há mais de 70 anos, é a resposta”.
O diretor-geral da OMS ainda lembrou dos refugiados, que são um dos grupos mais vulneráveis à pandemia, e lamentou que ela tenha aumentado as desigualdades sociais. “A Covid-19 pode empurrá-los [os refugiados] para a beira do abismo”, disse.
Transmissão pelo ar
Na terça (7), a OMS reconheceu que o coronavírus pode ser transmitido pelo ar, e não somente pelo contato com as gotículas expelidas por pessoas infectadas, como vinha afirmando.
A líder técnica para prevenção e controle de infecções da OMS, Benedetta Allegranzi, reconheceu que estão surgindo novas evidências desse risco de contágio pelo ar, mas afirmou que elas não são definitivas e que ainda é preciso reuni-las e interpretá-las.
Allegranzi destacou que a OMS já recomenda que as pessoas evitem ambientes fechados e cheios, mantenham o distanciamento e que usem a máscara em determinadas situações.
OMS reconhece evidências da transmissão de Covid pelo ar, mas diz que não são definitivas
Initial plugin text