Pesquisa de universidade italiana estima que taxa de natalidade deverá cair nos países ricos, onde o planejamento familiar é maior, mas deverá se manter ou aumentar nos países mais pobres. Mulher grávida é vista com roupas protetoras contra a Covid-19 em Nova York, em abril. Segundo estudo desta sexta (24), fertilidade deverá diminuir pós-pandemia.
Johannes Eisele / AFP
Um estudo italiano publicado na revista científica “Science” prevê que a taxa de natalidade no mundo pós-pandemia deverá cair drasticamente devido à crise gerada na economia e na sociedade. A queda deverá ser maior nos países mais ricos.
“Embora seja difícil fazer previsões precisas, um cenário provável é que a fertilidade caia a curto prazo, pelo menos em países com alta renda”, afirma Arnstein Aassve, professor do Departamento de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Bocconi, na Itália.
Segundo Aassve, a queda deverá ser maior nos países mais ricos porque nestes o planejamento familiar costuma ser mais comum. Diante da instabilidade econômica e do fechamento temporário das escolas por causa da pandemia, o que gerou maior cuidado com os filhos dentre de casa, essas famílias provavelmente estão adiando os planos de gravidez neste momento, que se refletirá no pós-pandemia.
Sexo em tempos de pandemia traz dilemas éticos, diz socióloga: como fazer, com quem e como se proteger
Pandemia de coronavírus leva a mudança de ritos funerários e da forma como os brasileiros vivenciam o luto
Quarentena impulsiona busca por relações extraconjugais
Publicado nesta sexta-feira (24), o estudo relembra períodos históricos em que houve grande taxa de mortalidade, como as guerras mundiais, e que foram seguidos por aumento no número de nascimentos logo após os eventos traumáticos. Mas, segundo os pesquisadores italianos, esse comportamento de “baby boom” não deverá se seguir desta vez no pós-pandemia da Covid-19, já que o contexto social e econômico é diferente.
Nos países de média e baixa renda, os pesquisadores lembram que a fertilidade já vinha em queda nos últimos anos. Porém, o efeito da crise gerada pelo coronavírus após a pandemia pode gerar o inverso nessas sociedades: maior dificuldade no acesso aos serviços de planejamento familiar pode resultar em um aumento de curto prazo nas gestações indesejadas e no agravamento da saúde neonatal e reprodutiva nesses países.
Pessoas contam em site o que descobriram com a pandemia e o que perderam com a quarentena
Os cientistas italianos ainda preveem que uma queda adicional na taxa de natalidade nos países de alta renda acelerará o envelhecimento da população, com implicações para as políticas públicas locais.
Bebê recém-nascido gestante gravidez parto nascimento
Unsplash
Agora é assim? Como serão os relacionamentos pós-pandemia?
Initial plugin text