Polícia apura gravidez e investiga se essa pode ter sido a motivação do crime. Suspeito tinha relacionamento com outra pessoa, disse delegado. Adolescente de 15 anos é achada morta e jovem de 17 confessa crime na Bahia.
Reprodução / TV Subaé
A polícia investiga se a adolescente Viviane Cardeal Silva, de 15 anos, que foi encontrada morta e enterrada na cidade de Santo Estêvão, a cerca de 150 km de Salvador, estava grávida quando foi assassinada. Um jovem de 17 anos confessou o crime.
Serviços de apoio jurídico e psicológicos gratuitos auxiliam mulheres vítimas de violência na BA; lista
O corpo da vítima foi encontrado em estado avançado de decomposição na segunda-feira (31). Nesta terça (1º), o G1 conversou com o delegado Luiz Nobre, que investiga o caso, e ele disse que o suspeito deu uma “versão fantasiosa” para a motivação do crime. Essa versão não foi detalhada pelo delegado.
Apesar disso, durante o depoimento, o jovem chegou a confirmar à polícia que mantinha relações sexuais com a adolescente, mas que ele vive em “união estável” com outra pessoa. Por causa disso, o delegado pediu exames para confirmar a possível gravidez da vítima.
Segundo o delegado, foram solicitados exames para apurar a possível gestação da adolescente, e se essa pode ter sido a motivação do crime. Luiz Nobre investiga também se há a participação de uma segunda pessoa no crime.
Desaparecimento
Adolescente desaparecida é encontrada morta na zona rural do município de Santo Estevão
Viviane saiu de casa no dia 13 de agosto e disse à mãe que ia colocar crédito no celular. Depois disso, ela foi vista na garupa de uma motocicleta, pilotada pelo jovem de 17 anos. Imagens de câmeras de segurança registraram o momento e possibilitaram a identificação do suspeito.
Inicialmente, na delegacia, ele negou envolvimento no sumiço de Viviane. Dias depois, procurado novamente pela polícia, ele confessou ter matado a adolescente e contou ao delegado onde o corpo da vítima havia sido enterrado, na zona rural de Santo Estêvão.
O jovem não chegou a ser apreendido porque a Delegacia de Santo Estêvão não possui custódia para menores de idade e porque o prazo de flagrante do crime já havia passado. O delegado encaminhou um boletim de ocorrência circunstanciado para o Ministério Público da Bahia (MP-BA) nesta terça, que deve determinar a apreensão dele.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.