Informação foi confirmada nesta sexta-feira (7). No dia anterior, Polícia Federal apreendeu aventais hospitalares suspeitos de terem sido adquiridos em compras irregulares. Prefeitura de SP suspende licitações para compra de insumos na área da saúde
Um dia após a operação da Polícia Federal (PF) sobre suspeitas de fraudes na compra de aventais hospitalares na capital paulista, o prefeito Bruno Covas (PSDB) suspendeu todas as licitações em fase inicial da secretaria da Saúde relacionadas à Autarquia Hospitalar Municipal.
A medida foi confirmada à TV Globo nesta sexta-feira (7) e ocorre também uma semana após ele sancionar a lei da reforma administrativa que acaba com a autarquia responsável por 11 hospitais da cidade.
Segundo o secretário municipal de Saúde, Édson Aparecido, na semana que vem deve ser publicado um novo decreto estabelecendo a reorganização administrativa da secretaria de Saúde.
Com a mudança, a gestão dos hospitais passa a ser diretamente ligada à pasta e não mais de maneira indireta.
Entre os administrados pela autarquia está o Tide Setubal, na zona leste da capital, que foi um dos que ficaram sobrecarregados durante a pandemia da Covid 19.
Operação Nudus
A PF realizou na quinta-feira (6) a Operação Nudus, que apura contratos da prefeitura de São Paulo. Ela investiga fraudes em duas contratações emergenciais de 600 mil aventais descartáveis realizadas pela Autarquia Hospitalar da cidade, que é ligada à Secretaria Municipal de Saúde.

A PF descobriu que a chefe do setor de compras da autarquia hospitalar municipal é namorada do dono da empresa responsável pelo fornecimento dos aventais.
Na quinta, durante a Operação Nudus, equipes da PF estiveram nos endereços dos dois. Ambos não estavam em casa. Os investigadores descobriram que o empresário estava internado num hospital da capital e que a mulher estava junto, acompanhando ele. Os dois tiveram os celulares apreendidos.
A Polícia Federal também recolheu uma amostra dos aventais. Uma das alegações para o alto custo do produto é que ele tem proteção contra bactérias. Agora, a PF quer mandar os aventais para perícia, e verificar se eles têm mesmo essa proteção ou se isso também era uma fraude.
Na tarde de quinta, o controlador-geral do município, João Manoel Scudeler de Barros mandou um ofício ao Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo documentos e provas sobre as constatações do órgão e da PF a respeito dos desvios investigados em dois contratos que totalizam R$ 11 milhões.
Segundo ele, isso será usado em investigação interna para responsabilizar servidores públicos e empresas envolvidas nos supostos crimes.
PF faz operação contra fraudes em licitações na área da saúde no estado