Diante das graves consequências das explosões e das manifestações populares que culpam a classe política, Hassan Diab propõe um “acordo sobre próximo passo”. O primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, anunciou neste sábado (8) à noite que irá propor eleições parlamentares no país abalado pelas explosões mortais no porto de Beirute, pelas quais a população culpa a classe política.
Manifestação contra o governo do Líbano em Beirute, em 8 de agosto de 2020
Anwar Amro / AFP
Em discurso televisionado, o governante avaliou que apenas “eleições antecipadas podem permitir a saída da crise estrutural”, acrescentando que está disposto a permanecer no poder “por dois meses”, enquanto as forças políticas trabalham nesse sentido e, durante esse período, liderar o processo de antecipação.
“Convido as partes a chegarem a um acordo sobre o próximo passo. Proporei na segunda-feira (a reunião do) no governo a convocação de eleições antecipadas”, disse Diab. “Estamos em estado de emergência quanto ao destino e ao futuro do país”, ressaltou.
O anuncio ocorreu depois de um dia de muito protesto nas ruas da cidade.
A explosão em Beirute – e as consequências ao Líbano
Por volta das 18h (horário local) de terça-feira (4), uma enorme explosão na região portuária de Beirute, capital do Líbano, deixou mais de 150 mortos e 5 mil feridos.
Explosão em Beirute; FOTOS
VÍDEOS da explosão em Beirute
Veja como era a o porto de Beirute antes da explosão
De acordo com o governo libanês, a primeira hipótese para a explosão foi o armazenamento, sem as devidas medidas de segurança, de 2.750 toneladas de nitrato de amônio durante seis anos na região do porto de Beirute. O nitrato de amônio é um composto que pode ser usado como fertilizante, mas também na fabricação de explosivos.
Silo ficou destruído em explosão no porto de Beirute, no Líbano
Hussein Malla/AP
Na sexta-feira (7), presidente do Líbano, Michel Aoun, afirmou que o país iniciou uma investigação para determinar se a explosão no armazém foi causada por negligência, acidente ou uma possível interferência externa.
“Investigar o desastre da explosão de Beirute não vai levar muito tempo. Não estamos nos agarrando aos cargos e queremos uma solução nacional que salve o país”, declarou neste sábado o primeiro-ministro.
As explosões podem provocar uma crise alimentar no Líbano, país que importa 85% do que consome e já enfrentava dificuldades econômicas. Parte do trigo estocado na capital foi destruído e a população teme a falta de pão. Quase 15 mil toneladas de trigo, milho e cevada estocados foram destruídos na gigantesca explosão, assim como uma fábrica de farinha que ficava ao lado.