Abertura inicial seria entre países membros do bloco e depois para os Bálcãs. Não há previsão para países mais afetados pela doença. Visitante na Capela Sistina, no Vaticano. Europa deve reabrir fronteiras a partir de 1° de julho.
REUTERS/Guglielmo Mangiapane
A Comissão Europeia, braço executivo do bloco europeu, propôs nesta quinta-feira (11) que a Europa reabra suas fronteiras externas a partir do dia 1° de julho, começando por países da região dos Bálcãs — Albânia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte e Sérvia.
As fronteiras internas, entre os países membros da União Europeia, devem ser abertas a partir da segunda-feira (18), segundo pedido feito pela comissária de Assuntos Internos, Ylva Johansson.
Veja como será a reabertura de países na Europa
Outros países devem vir na sequência, com um relaxamento gradual das restrições de viagens. Segundo a Comissão Europeia a abertura das fronteiras vai depender de dados sobre as taxas de infecção e a capacidade do país em lidar com a pandemia.
As restrições de viagens ao continente devem permanecer para áreas com dados mais preocupantes e os países que devem conseguir voltar a viajar para a Europa são aqueles “em situação similar ou melhor à da UE”.
Brasil passa de 40 mil mortes por causa da covid-19
Casos de coronavírus aumentam nos EUA com medidas de relaxamento
Entre as preocupações principais estão Brasil e Estados Unidos, nações em que a pandemia de coronavírus não é considerada sob controle.
Os EUA têm o maior número de mortes e infecções do mundo e nesta quinta-feira chegaram à marca de dois milhões de casos registrados. E o Brasil tem atualmente mais da metade das mortes na América Latina.
Países da Europa começam a reabrir fronteiras para estrangeiros
“As viagens internacionais são fundamentais para o turismo e os negócios, e para a família e os amigos se reconectarem”, disse Johansson, de acordo com a agência Deutsche Welle. Ela afirmou ainda que a situação do vírus “está realmente melhorando em todos os Estados-membros” da UE.
O turismo é uma importante fonte de renda na Europa, principalmente em países do Mediterrâneo, como Itália, Espanha, Portugal, Croácia e Grécia.