Brasil, Peru, Colômbia, México e Argentina seguem entre as 10 nações com o maior número de casos de Covid-19 do mundo. Moradora de Paraisópolis, em São Paulo, faz teste para detecção do novo coronavírus em 11 de setembro
Carla Carniel/AP
A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alertou nesta quarta-feira (23) que a transmissão do novo coronavírus segue muito elevada mesmo em países onde se observa atualmente uma tendência de redução nos casos, como o Brasil e o México. Por isso, o ressurgimento de novos surtos não está descartado.
“É certo que em países como o México e o Brasil, assim como em outros países da América Latina, onde se observa uma tendência de redução, o nível de transmissão segue muito elevado, como já chamamos a atenção. É preciso manter todas as medidas, monitorar as cidades, as províncias, os estados”, afirmou Jarbas Barbosa, subdiretor da Opas.
Barbosa alerta que o surgimento de novos focos na região é possível. “Os países da Europa, de novo, estão nos ensinando bem que é possível. Temos que estar preparados [mesmo] nos locais onde a transmissão já está controlada”, completou.
Brasil, Peru, Colômbia, México e Argentina seguem entre as 10 nações com o maior número de casos de Covid-19 do mundo. O Brasil segue em terceiro no número de infecções, atrás dos Estados Unidos e da Índia. Só em território brasileiro, já foram registrados mais de 138 mil óbitos em decorrência de complicações da doença.
O subdiretor da Opas comentou que a dinâmica da pandemia em países europeus, como Espanha e Reino Unido, houve um pico da doença, que foi revertido em poucas semanas após a implementação de medidas para manter o distanciamento social.
Na América Latina, a curva de transmissão do novo coronavírus é diferente. A pandemia começou mais lentamente, porque os países tiveram tempo e tomaram medidas que foram capazes de conter a transmissão, com algumas exceções como as cidades de Manaus, no Brasil, e Guayaquil, no Equador.
Segundo Barbosa, as medidas de distanciamento social foram importantes para diminuir a transmissão na região, achatar a curva, mas não foram efetivas para reduzir o número de casos. “Não tem aquela explosão de casos, mas a transmissão [elevada] segue por um período muito longo”.
Vacinas
Podem ser necessárias várias tentativas para se encontrar a melhor vacina contra a Covid-19, disse a diretora da Opas, Carissa Etienne.
“Esperamos que os cientistas descubram uma vacina eficaz que ofereça proteção duradoura contra Covid-19, mas podem ser necessárias algumas tentativas antes de encontrarmos a certa”, disse Etienne durante a entrevista coletiva virtual semanal.
“As vacinas precoces podem fornecer proteção apenas parcial ou podem não funcionar para todos. Ainda não sabemos qual vacina será considerada segura e eficaz e como funcionará”, afirmou ela.
Etienne defendeu que a participação na aliança global Covax é a melhor maneira para os países protegerem sua população. Segundo ela, 14 países da região concordaram em autofinanciar sua participação no programa e outros 10 são elegíveis para receber apoio de custos. Outros 13 disseram que pretendem participar.
Segundo ela, alguns países perderam o prazo inicial do programa, porém declararam no fim de semana que se comprometeriam com a aliança o mais rápido possível.
Planejamento da vacinação
Etienne também fez um apelo para que os países comecem a preparar planos de vacinação.
“Nós sabemos que, se não nos prepararmos agora, perderemos a oportunidade de nos beneficiarmos [de uma vacina] rapidamente. Os países não podem esperar para ter todas as respostas antes de começar a planejar e se preparar para entregar uma vacina Covid-19”, declarou.
Veja vídeos com as novidades no desenvolvimento de vacina contra a Covid-19: