Dados auxiliam na construção de medidas e criação de políticas públicas para diminuir índices de contágio, aponta Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Universidades Estaduais desenvolvem mapeamento da Covid-19 na Bahia
Divulgação / Secti
Quatro universidades estaduais baianas se juntaram e criaram um mapeamento de dados da Covid-19 na Bahia. Conforme a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), os dados auxiliam na construção de medidas e criação de políticas públicas para diminuir os índices de contágio da doença.
Segundo informações da Secti, a professores da Universidade do Estadual da Bahia (Uneb), do Sudoeste da Bahia (Uesb), de Feira de Santana (Uefs) e de Santa Cruz (Uesc) se mobilizaram para contabilizar a quantidade de pessoas infectadas e mortas pelo novo coronavírus nas regiões onde estão instaladas. As aulas presenciais nas instituições estão suspensas desde 16 de março.
A ação tem o objetivo de diminuir danos aos profissionais de saúde que atuam na linha de frente contra a doença. A Uesb, por exemplo, contabiliza cerca de 10 mil casos acumulados na região de Itapetinga, Jequié e Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia.
Segundo o professor Carlos Bernard, da Uesb, será publicado uma vez na semana o Boletim Informativo Especial #UesbContraACovid19, com o objetivo de contribuir nas tomadas de decisões dos gestores municipais e da população.
“Esse boletim é uma iniciativa do Conselho de Campus da Uesb (Itapetinga) que, em síntese, apresenta informações técnicas e imparciais, esclarecendo dúvidas sobre os dados epidemiológicos, conceitos gerais e projeções de cenários, contribuindo para uma visão consciente da atual situação da pandemia” explicou.
Amândio Barbosa, professor da Uneb de Valença, desenvolve, junto a outros parceiros, um observatório social que a princípio vai focar em pesquisas sobre a Covid-19 e seus impactos, além de um grupo de pesquisa para análises das informações que são contabilizadas.
“A princípio iremos focar em pesquisas sobre a doença e suas consequências, mas estamos convidando representantes de outras instituições como Ifba e um representante do Observatório Social da Covid-19 da UFRB, de quem estamos utilizando os mapas de monitoramento também”, disse.
Washington Rocha, que é professor da Uefs e superintendente de Desenvolvimento Científico da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, destaca o trabalho da universidade, através de uma plataforma chamada Geocovid, que foi desenvolvida em parceria com o órgão estadual.
“O Portal Geocovid-19 completou 4 meses no dia 31 de julho e se consolida como um dos portais mais citados no Brasil para monitoramento e projeção de cenários sobre a propagação da doença no país. Além disso, já faz parte da rotina diária dos gestores e analistas de saúde, a exemplo do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, que acompanha os dados e projeções diárias do portal e os utiliza nas recomendações e boletins produzidos”, finaliza.
Até essa segunda-feira (3), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) registrou 171.391 casos de Covid-19 e 3.624 mortes causadas pela doença.
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.
Initial plugin text