Ainda não está claro qual tipo de relação existe entre dieta e personalidade, segundo a pesquisa. Consumo de frutas, legumes e verduras aumenta no verão
Divulgação
Uma recente pesquisa do Instituto Max Planck de Ciências Cognitivas e do Cérebro Humano, da Alemanha, concluiu que quanto menos alimentos de origem animal alguém consome no dia a dia, menor é o índice de gordura corporal e, portanto, menor o seu peso. Um outro achado é curioso: uma dieta vegana está ligada a uma tendência de que a pessoa seja mais introvertida.
Em relação ao corpo mais magro, os cientistas acreditam que, além da maior ingestão de fibras por meio de consumo de plantas e vegetais, a explicação também está no fato de que dietas veganas e vegetarianas costumam ter menos produtos processados e industrializados, como alimentos embutidos e hambúrguer, por exemplo.
Além disso, veganos e vegetarianos demonstraram ter um estilo de vida mais saudável e uma preocupação maior com a saúde do que os onívoros – pessoas com uma dieta bem variada, que se alimentam tanto de alimentos vegetais quanto animais.
Gêmeos idênticos seguem dietas diferentes por 3 meses para entender os efeitos do veganismo sobre o corpo
Cerca de 9.000 pessoas participaram da pesquisa alemã, publicada no dia 15 de junho na revista “Nutrients”. Foram desconsiderados sexo, idade e nível educacional de cada um.
Tipo de alimento de origem animal
Os cientistas observaram que parece fazer diferença para o ganho de massa corporal – e consequentemente de peso – quais produtos de origem animal uma pessoa consome.
Se for uma alimentação predominantemente com produtos animais primários, como carne vermelha, carne branca e peixe, a pessoa geralmente tem um índice de massa muscular (IMC) maior do que alguém que come apenas produtos animais secundários, como ovos, leite, laticínios, queijo e manteiga.
A pesquisa não conseguiu entender com clareza porque pessoas que se alimentam principalmente com produtos animais primários tem maior IMC. Por isso, uma nova pesquisa será feita em cooperação com o Hospital Universitário de Leipzig, na Alemanha.
Pão com manteiga: a dupla que alimenta o brasileiro, é rica em alimento de origem animal secundário.
Agro/TV Globo/Reprodução
Dieta restritiva e personalidade
Os pesquisadores também descobriram que a nutrição vegetariana e vegana também está relacionada à personalidade, principalmente à extroversão, “no entanto, pouco se sabe sobre esse tipo de dieta e a sua relação com a saúde emocional”, informa o texto da publicação.
“É difícil dizer qual é o motivo disso”, afirmou uma das autoras do estudo, Veronica Witte, na divulgação dos resultados.
“[A explicação] Pode ser porque pessoas mais introvertidas tendem a ter hábitos alimentares mais restritivos ou porque são mais segregadas socialmente por causa de seus hábitos alimentares restritos”, completa Witte.
O ‘alimento para o cérebro’ que todo vegano precisa conhecer
A autora afirma que estudos futuros do instituto devem investigar a questão de como as pessoas se identificam com as características sociais de sua dieta: são mais restritivas, mais radicais, mais abertas a experimentar novas comidas etc.
“Traços de personalidade, como o alto nível de neuroticismo, podem contribuir para hábitos alimentares restritivos e potencialmente confundir associações entre dieta e saúde”, diz o estudo. O neuroticismo é um dos principais traços de personalidade, segundo a psicologia, e está relacionado à falta de confiança, pensamento negativo e autocrítica severa.
Os cientistas também investigaram se uma dieta predominantemente baseada em plantas, como a vegana, está associada ao humor depressivo, uma vez que estudos anteriores sugeriram uma relação entre os dois fatores. Contudo, o estudo alemão não encontrou relação entre depressão e restrição de alimentos de origem animal.
Veja também:
Hoje é dia de… Feijoada – Vegetariana